Gaza

Israel prosseguiu os seus ataques contra a Faixa de Gaza durante a noite de sábado para domingo. As forças armadas israelitas realizaram doze novos ataques, que vêm somar-se aos seis registados anteriormente, visando alvos das forças de resistência palestinas.
Dois adolescentes palestinos foram mortos num dos ataques aéreos, a leste da cidade de Rafah, anunciou o Ministério da Saúde de Gaza. As vítimas são Salim Sabah, de 17 anos, e Abdullah Abu Sheyha, também de 17 anos.
O ministro da Defesa israelita, Avigdor Lieberman, responsabilizou o Comité de Resistência Popular de Gaza pela explosão junto à vedação de fronteira que provocou ferimentos em quatro soldados israelitas na tarde de sábado. Foi o maior número de israelitas feridos num único ataque desde a guerra contra Gaza em 2014, segundo a comunicação social de Israel. «Até os eliminarmos, as contas continuam por saldar. Levará dois dias, uma semana ou duas semanas», ameaçou Lieberman.
Israel voltou hoje a lançar uma agressão contra a Faixa de Gaza. Tratou-se, segundo as próprias forças armadas israelitas, de um «ataque em larga escala», em que terão sido atingidos seis alvos do Hamas.
Horas antes, quatro soldados israelitas ficaram feridos quando um engenho explodiu perto deles, junto à vedação na fronteira com o Sul da Faixa de Gaza. Segundo a comunicação social israelita, foi o maior número de israelitas feridos num único ataque desde a guerra contra Gaza em 2014.
O responsável da explosão, afirmaram os militares israelitas, citados pelo jornal Haaretz, foi o Comité de Resistência Popular de Gaza, que durante a manifestação de sexta-feira teria pendurado uma bandeira na vedação para atrair os soldados.
Artigo publicado em Orient XXI em 5 de Fevereiro de 2018
 
Submetidos a um bloqueio israelita com mais de dez anos, milhões de palestinos encerrados em Gaza vivem uma situação dramática que, no entanto, não suscita nenhuma indignação da «comunidade internacional». E os próximos meses podem ser ainda piores.
A única central eléctrica da Faixa de Gaza deixou de funcionar por causa da falta de combustível, num contexto de agravamento das condições humanitárias no pequeno território palestino cercado.
Mohammed Thabet, porta-voz da Empresa de Electricidade de Gaza, declarou que a central eléctrica parou de funcionar à meia-noite por falta de combustível. «A Faixa de Gaza precisa de cerca de 500 megawatts por dia. Temos um défice energético de 380 megawatts», afirmou.
A paragem da central, que produz cerca de 20 megawatts por dia com combustível importado do Egipto, vem agravar uma já crítica falta de energia. Os dois milhões de habitantes de Gaza só têm cerca de quatro horas de electricidade por dia, produzida por esta central e também proveniente de Israel e do Egipto.
Escolas, clínicas e centros de distribuição de alimentos na Faixa de Gaza cercada estiveram hoje fechados devido a uma greve dos 13.000 empregados da UNRWA, a agência das Nações Unidas de assistência aos refugiados palestinos no Próximo Oriente.
Os empregados palestinos estão indignados com a decisão dos EUA de reduzir a sua contribuição anual para o funcionamento da UNRWA, que tem 278 escolas em Gaza, frequentadas por cerca de 300.000 alunos.
Dois adolescentes palestinos foram hoje mortos e outros três feridos em confrontos com forças israelitas na Faixa de Gaza cercada e na Margem Ocidental ocupada, informou o Ministério da Saúde palestino.
Uma das mortes ocorreu em protestos na fronteira da Faixa de Gaza e a segunda em confrontos perto da cidade de Nablus, na Margem Ocidental.
O adolescente palestino da Faixa de Gaza, Ameer Abu Musaed, de 16 anos, foi morto com uma bala no peito a leste do campo de refugiados de Bureij, adjacente à barreira de separação com Israel. Segundo fontes locais, dezenas de jovens palestinos estavam a participar junto à fronteira num protesto contra o reconhecimento pelos Estados Unidos de Jerusalém como capital de Israel. Registaram-se ainda três feridos, um dos quais ficou em estado crítico.
Mais de 200 palestinos ficaram ontem feridos na Margem Ocidental ocupada e na Faixa de Gaza cercada, em resultado da repressão das forças de ocupação israelitas aos protestos, pela quarta semana consecutiva, contra a declaração do presidente dos EUA, Donald Trump, de reconhecer Jerusalém como capital de Israel.
Segundo o Crescente Vermelho palestino, mais de 130 palestinos ficaram feridos em confrontos com as forças israelitas na Margem Ocidental: 4 atingidos com balas reais e 45 com balas de metal revestidas de borracha, enquanto 77 foram vítimas da inalação de gás lacrimogéneo.
Na Faixa de Gaza, mais de 50 palestinos foram feridos, a maioria deles com balas reais.
Os confrontos ocorreram após as preces de sexta-feira, em resposta ao apelo de várias facções palestinas para um dia de raiva em resposta à decisão ilegal e unilateral dos Estados Unidos de reconhecer Jerusalém como a capital de Israel e de para aí transferir a sua embaixada.
Dois palestinos foram mortos a tiro e outras cerca de 70 pessoas foram feridas por balas reais disparadas pelas forças israelitas junto à barreira que isola a Faixa de Gaza de Israel, durante protestos contra a decisão do presidente dos EUA, Donald Trump, de reconhecer Jerusalém como a capital de Israel, informou o Ministério da Saúde palestino.
Após as preces de sexta-feira, tinha-se realizado um protesto perto da barreira que cerca a Faixa de Gaza, e soldados israelitas abriram fogo contra os manifestantes com balas reais, gás lacrimogéneo e granadas de atordoamento.
Ao mesmo tempo, ocorreram confrontos em Belém, Hebron, Nablus, Ramala e outras zonas da Margem Ocidental. Em Jerusalém Oriental, após as preces de sexta-feira na mesquita de Al-Aqsa houve uma marcha em direcção à porta de Damasco, interrompida pelos soldados israelitas.
A Autoridade Palestina (AP) assumiu oficialmente hoje (1 de Novembro) o controlo administrativo das passagens de fronteira da Faixa de Gaza cercada, como parte da transferência de poder que está em curso do Hamas para o governo de unidade palestino, dominado pela Fatah.
O Hamas, que controla a Faixa de Gaza cercada desde 2007, concordou em retirar-se da governação deste território em nome da unidade nacional. A Autoridade Palestina deve assumir o controlo total da Faixa de Gaza até 1 de Dezembro.
Durante a cerimónia de entrega do controlo na passagem de Rafah, entre Gaza e o Egipto, foram tocados os hinos nacionais palestino e egípcio. Viam-se lado a lado bandeiras palestinas e egípcias e grandes fotos do presidente da Autoridade Palestina, Mahmoud Abbas, e do presidente egípcio Abd al-Fattah al-Sissi.
Sete palestinos foram mortos e outros 12 ficaram feridos ontem, 30 de Outubro, quando forças israelitas fizeram explodir um túnel entre o Sul da Faixa de Gaza e Israel, noticiam fontes palestinas e israelitas.
O Ministério da Saúde palestino declarou oficialmente a morte de sete palestinos, todos combatentes dos ramos armados dos movimentos Hamas e Jihad Islâmica em Gaza.
Após a explosão, a comunicação social israelita relatou que o Exército de Israel realizara uma «detonação controlada» na área perto da Faixa de Gaza, dizendo que a actividade foi pré-planeada.
O site israelita Ynet News disse que o túnel ainda não estava operacional. Porém, após matar sete palestinos e ferir outros doze, o porta-voz do Exército israelita teve a ousadia de declarar, segundo o jornal israelita Haaretz, que «Israel não procura uma escalada e não tem interesse num conflito militar em Gaza».

Páginas

Subscreva Gaza