Resistência, Política e Sociedade Palestinas

Os palestinos de Hebron, na Cisjordânia ocupada, realizaram esta segunda-feira uma greve geral de protesto contra os planos de Israel de construir um novo colonato ilegal na cidade.

A greve, realizada por apelo da Fatah, movimento predominante da Autoridade Palestina, presidida por Mahmoud Abbas, foi acompanhada por protestos, que as forças israelitas reprimiram com gás lacrimogéneo.

A greve surge na sequência da aprovação em 1 de Dezembro por Naftali Bennett, o ministro da Defesa israelita — a Cisjordânia ocupada está sob administração militar isarelita desde 1967 —, de um novo colonato, com a construção de 70 apartamentos que poderiam duplicar a população de colonos israelitas em Hebron.

Há 32 anos teve início na Palestina ocupada a Primeira Intifada, que durou mais de seis anos e durante a qual milhares de palestinos foram mortos e dezenas de milhares presos pelas forças de ocupação israelitas. Passadas mais de três décadas, a luta pela liberdade da Palestina continua.

A intifada (insurreição) teve como pano de fundo a ocupação por Israel da Cisjordânia, da Faixa de Gaza e de Jerusalém Oriental, que durava havia 20 anos. Israel governava os territórios ocupados com mão de ferro, impondo o recolher obrigatório e realizando incursões, prisões, deportações e demolições de casas.

Em 8 de Dezembro de 1987 um colono israelita atropelou com o seu jipe quatro trabalhadores palestinos que regressavam a casa, em Jabalya e Maghazi, na Faixa de Gaza. Este ataque terrorista foi presenciado por centenas de pessoas, desencadeando uma onda de indignação.

Dezenas de palestinos foram feridos esta sexta-feira pelas forças israelitas, que abriram fogo contra os manifestantes que participavam na Grande Marcha de Retorno, na Faixa de Gaza.

O Ministério da Saúde de Gaza informou que 37 palestinos, incluindo 10 crianças e um socorrista, foram feridos por balas reais e cartuchos de gás lacrimogéneo disparados pelos soldados israelitas.

Milhares de palestinos manifestaram-se ao longo da vedação com que Israel isola a Faixa de Gaza, na 83.ª sexta-feira dos protestos da Grande Marcha do Retorno, após uma paragem de três semanas.

Os organizadores do protesto tinham anunciado a suspensão das manifestações em meados de Novembro, após uma escalada dos ataques de Israel contra a Gaza, para evitar mais vítimas palestinas.

Um jovem palestino de 18 anos foi morto a tiro por soldados israelitas neste sábado à noite perto do checkpoint (posto de controlo) da aldeia de Beit Awwa, em Hebron, na Cisjordânia ocupada.

Segundo testemunhas oculares, os soldados do exército de ocupação israelita dispararam balas reais contra três jovens perto do colonato de Shigav, matando Badawi Khaled al-Shalash e ferindo outros dois, um deles com gravidade.

As forças de ocupação israelitas impediram as ambulâncias palestinas de entrarem na zona onde tinham ocorrido o tiroteio, informou o Crescente Vermelho palestino.

Segundo o exército israelita, os três jovens estariam a lançar cocktails molotov contra a torre de observação militar das forças de ocupação e o carro de um colono que se deslocava na rua.

Milhares de manifestantes palestinos participaram nesta terça-feira num «dia de raiva» na Cisjordânia ocupada para protestar contra a recente posição dos EUA sobre os colonatos israelitas, declarando que não violam o direito internacional.

Respondendo ao apelo de diversos movimentos políticos palestinos, milhares de pesssoas congregaram-se para protestar em várias cidades da Cisjordânia ocupada. Alguns grupos entraram em confronto com as forças repressivas israelitas, que tinham declarado estado de alerta máximo.

O Crescente Vermelho Palestino informou que durante os protestos as forças israelitas provocaram ferimentos em pelo menos 77 pessoas, causados por balas de aço revestidas de borracha ou inalação excessiva de gás lacrimogéneo.

O Movimento da Jihad Islâmica Palestina declarou um cessar-fogo após dois dias de hostilidades, iniciadas na madrugada de terça-feira quando Israel assassinou um comandante deste movimento de resistência, bem como a sua esposa, num ataque contra a sua casa, em Gaza.

Na madrugada de 12 de Novembro, a Força Aérea de Israel atacou e matou Baha Abu al-Ata, um comandante da ala armada da Jihad Islâmica Palestina, e sua esposa, enquanto dormiam em sua casa.

Um ataque semelhante atingiu também na terça-feira a casa de outro comandante da Jihad Islâmica em Damasco, na Síria.

Segundo o Ministério da Saúde palestino (MS) em Gaza, 34 pessoas foram mortas pelos ataques israelitas contra o enclave costeiro palestino, incluindo 23 homens, oito crianças e três mulheres. O Ministério da Saúde informou também que 111 palestinos ficaram feridos, incluindo pelo menos 41 crianças e 13 mulheres.

Três presos palestinos em detenção administrativa nas prisões israeleitas continuam em greve de fome, um deles há 109 dias seguidos, em protesto contra o seu encarceramento ilegal, sem acusação nem julgamento.

Segundo informou este sábado a Comissão dos Presos Palestinos, citada pela agência WAFA, Ismail Ali está em greve de fome há 109 dias. A sua saúde deteriorou-se gravemente devido ao longo jejum: sofreu uma grande perda de peso, perdeu capacidade visual e está incapaz de andar.

Outro detido administrativo, Mosab al-Hindi, está em greve de fome há 47 dias em protesto contra a sua detenção administrativa, foi recentemente transferido para o hospital após um agravamento do seu estado de saúde.

O terceiro grevista da fome, Ahmad Zahran, que está em jejum há 49 dias, também se encontra num estado de saúde grave devido ao seu longo jejum. A sua ordem de detenção administrativa foi prorrogada por mais quatro meses, dois dias antes de terminar a atual.

As forças israelitas feriram 104 manifestantes palestinos que participavam esta sexta-feira nos protestos da 82.ª semana da Grande Marcha do Retorno na Faixa de Gaza.

Mais uma vez, as forças repressivas israelitas usaram uma violência desproporcionada e criminosa contra os manifestantes desarmados: 41 palestinos foram feridos por balas reais — incluindo dois menores que se encontram em estado crítico —, enquanto outros foram feridos por balas de borracha e bombas de gás lacrimogéneo.

Milhares de pessoas participaram no protesto, juntando-se nos cinco acampamentos ao longo da vedação com que Israel isola a Faixa de Gaza. O protesto de hoje desenrolou-se sob o lema «Vamos continuar».

A dirigente política e ex-deputada palestina Khalida Jarrar foi novamente presa na madrugada desta quinta-feira pelas forças da ocupação israelita. A sua filha Yafa informou através do Twitter que a casa da família, em El Bireh, nos arredores de Ramala, foi assaltada às 3h da madrugada por mais de 70 soldados e 12 veículos militares.

A Frente Popular para a Libertação da Palestina (FPLP), de que  Khalida Jarrar é dirigente, informou num comunicado que as forças de ocupação sionistas lançaram hoje uma campanha de prisões em larga escala de militantes seus, incluindo a ex-deputada e o dirigente Ali Jaradat, além de dezenas de quadros de diferentes partes da Cisjordânia ocupada.

No comunicado a FPLP exortou também a Autoridade Palestina e os seus serviços de segurança a interromperem todas as formas de coordenação de segurança com as forças de ocupação.

Forças israelitas feriram hoje 73 palestinos durante os protestos junto à vedação com que Israel isola a Faixa de Gaza. Os soldados israelitas usaram balas reais e balas de borracha, bem como bombas de gás lacrimogéneo, contra os milhares de palestinos desarmados que participavam na 79.ª sexta-feira da Grande Marcha do Retorno.

Segundo informou o Ministério da Saúde palestino em Gaza, 31 pessoas foram feridas por balas reais e 42 com balas de aço revestidas de borracha. Outras dezenas foram tiveram de receber tratamento devido à inalação de gás lacrimogéneo.

Mais de 310 palestinos foram mortos e cerca de 17 000 foram feridos pelas forças israelitas desde o início da Grande Marcha do Retorno, que se realiza semanalmente, sem interrupções, desde 30 de Março de 2018.

Páginas

Subscreva Resistência, Política e Sociedade Palestinas