Ocupação, Colonização e Apartheid Israelitas

Exército israelita detém palestino perto de Nablus

O exército de ocupação israelita continuou as agressões e detenções nos territórios palestinos ocupados, apesar da propagação do coronavírus. Segundo informações do Centro de Estudos dos Prisioneiros Palestinos, durante o mês de Março registaram-se 250 detenções, incluindo 54 menores e 6 mulheres.

O porta-voz do Centro, o investigador Riyad Al-Ashqar, acusa a ocupação de pôr constantemente em perigo a vida dos palestinos ao continuar a efectuar detenções nestas circunstâncias excepcionais que afectam o mundo inteiro.

Al-Ashqar considera as práticas da ocupação para com os prisioneiros como um claro desrespeito pelas suas vidas, salientando que as autoridades israelitas recusaram durante o mês passado, e continuam a recusar, aplicar as medidas de segurança necessárias para impedir a propagação do coronavírus nas prisões.

A organização de direitos humanos Euro-Mediterranean Monitor, sedeada em Genebra, apelou à comunidade internacional para forçar as forças armadas israelitas a pôr termo às incursões em cidades e vilas palestinas por representarem uma ameaçam para as medidas preventivas tomadas pela Autoridade Palestina para controlar o surto de coronavírus. Pediu também para investigar e responsabilizar o comportamento suspeito de vários soldados e colonos israelitas no que parece ser uma tentativa de espalhar a infecção.

Ontem, soldados israelitas, fortemente armados e acompanhados de cães, lançaram gás lacrimogénio e granadas atordoantes, invadiram casas e procederam a detenções na cidade de Ramala. Na sequência da incursão o município de Ramallah mandou esterilizar as ruas, locais públicos e prédios invadidos pelos soldados israelitas, segundo declarou à agência noticiosa WAFA o presidente da câmara municipal, Moussa Hadid.

Assinala-se hoje, na Palestina e em todas as suas diásporas espalhadas pelo mundo, o Dia da Terra. Este ano, o povo palestino evoca os acontecimentos de 1976 numa situação particularmente difícil em resultado da pandemia COVID-19. O previsível avanço da doença, propulsionado pelas deficientes condições sanitárias em que vive a generalidade da população palestina, em especial nos campos de refugiados e na Faixa de Gaza, faz temer o pior. Em paralelo, Israel intensifica os abusos contra os palestinos, levantando obstáculos às medidas de apoio e prevenção da pandemia tomadas nas comunidades palestinas e explorando a situação para acelerar a anexação de facto do território palestino.

Na manhã de ontem, segundo informação da B’Tselem - organização israelita de direitos humanos -, funcionários israelitas escoltados por militares, deslocaram-se à comunidade palestina de Khirbet Ibziq, no norte do Vale do Jordão, onde confiscaram diversos materiais e equipamentos destinados à montagem de tendas para uma clínica de campanha e para alojamento de emergência dos residentes evacuados de suas casas.

Enquanto por todo o mundo inteiro se luta contra uma crise sanitária sem precedentes, as forças armadas israelitas dedicam tempo e recursos a perseguir as comunidades palestinas mais vulneráveis da Cisjordânia, comunidades de pastores e agricultores que vivem na designada Área C (sob controlo civil e militar de Israel) e que Israel tenta, por todos os meios, que abandonem as suas terras, tornando-lhes a vida intolerável, para poder concluir o processo de anexação de facto do território ocupado.

Apesar da situação de emergência sanitária que exige que os residentes de Israel e dos Territórios Ocupados tomem medidas extremas de isolamento social, a polícia de Israel optou, precisamente nesta altura, por intensificar os seus abusos e punições colectivas contra os palestinos no bairro de al-'Esawiyah, em Jerusalém Oriental – denuncia a organização israelita de direitos humanos B’Tselem.

Hanan Ashrawi, membro do Comité Executivo da OLP, denunciou o aproveitamento pelas autoridades israelitas do isolamento da Cisjordânia devido ao surto de coronavirus para acelerar a anexação de território palestino ocupado ao mesmo tempo que protege os ataques de colonos contra civis palestinos indefesos.

«Enquanto a comunidade internacional procura cooperar no combate à propagação do vírus Covid 19, Israel está a explorar a situação para acelerar a anexação de facto de terras palestinas, fornecendo protecção e cobertura aos colonos israelitas armados nos seus ataques terroristas contra comunidades palestinas indefesas por toda a Cisjordânia ocupada», disse Ashrawi numa declaração à imprensa divulgada pela agência noticiosa WAFA.

A Flotilha da Liberdade vai navegar de novo para Gaza, em Maio próximo, sob o lema «Para as Crianças de Gaza», com dois objectivos importantes:

- Desafiar e pôr termo ao ilegal e desumano bloqueio israelita a Gaza
- Restaurar os direitos das crianças e jovens em Gaza pela vida, segurança e liberdade de movimentos.

Em 2020 assinalam-se duas datas chave: por um lado, é o ano em que sucessivos relatórios das Nações Unidas consideram que Gaza se tornará inabitável se o bloqueio não terminar; por outro, Maio de 2020 marcará 10 anos desde o ataque das forças israelitas a barcos, incluindo o Mavi Marmara, em águas internacionais, onde mataram 10 pessoas e feriram gravemente outras 56.

A decisão do primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, de aprovar a construção de 5200 novas casas nos colonatos ilegais de Givat Hamatos e Har Homa, a sul de Jerusalém, foi condenada por Nabil Abu Rudeineh, porta-voz do presidente da Autoridade Palestina.

O anúncio das novas construções em Givat Hamatos e Har Homa vem somar-se à preparação de um plano director para a construção de 9000 novas casas para colonos no antigo aeroporto de Qalandia, a norte de Jerusalém.

O colonato de Har Homa foi criado nos anos 90 — depois e em oposição aos Acordos de Oslo — em Jerusalém Oriental ocupada, em terras confiscadas aos habitantes palestinos de Umm Tuba.

A Assembleia da República aprovou no passado dia 6 de Fevereiro um Voto de «Condenação do “Plano Trump” que constitui uma afronta aos direitos nacionais do povo palestiniano e ao direito internacional». 

O Voto foi apresentado pelo grupo parlamentar do PCP e mereceu votação favorável de PS, BE, PCP, PEV e de Joacine Katar Moreira (Ninsc), tendo votado contra PSD, CDS-PP, PAN e Chega (CH), tendo-se abstido a Iniciativa Liberal (IL).

Um rapazinho palestino de nove anos foi atingido no rosto com uma bala de aço revestida de esponja disparada por um polícia israelita, no sábado passado, no bairro de Isawiyah, em Jerusalém Oriental ocupada.

O pequeno Malek Issa está hospitalizado em estado grave. Segundo a família, os médicos dizem que é muito provável que perca um dos olhos e possivelmente os dois, e que é possível que tenha sofrido lesões cerebrais.

Malek Issa, que tinha acabado de descer do autocarro com as irmãs mais novas, vindo da escola, entrou numa loja para comprar uma sandes e foi atingido a tiro quando vinha a sair.

Páginas

Subscreva Ocupação, Colonização e Apartheid Israelitas