Gaza

Rami Hamdallah, primeiro-ministro da Autoridade Palestina (AP), chegou hoje, 2 de Outubro, à Faixa de Gaza para realizar reuniões oficiais sobre a reconciliação nacional entre a Fatah e o Hamas, ao fim de dez anos de divisão.
A Autoridade Palestina é liderada pela Fatah, ao passo que a Faixa de Gaza é de facto dirigida pelo Hamas.
Hamdallah deve presidir amanhã em Gaza à reunião semanal do governo da AP, após a qual este assumirá as suas funções oficiais como governo responsável pelo pequeno território costeiro. Depois da visita, delegações dos dois lados deverão dirigir-se ir ao Cairo para prosseguir as discussões de reconciliação.
O Hamas (Movimento Islâmico de Resistência), anunciou hoje, 17 de Setembro, que dissolveu o comité administrativo na Faixa de Gaza. Numa breve nota de imprensa, o Hamas apelou ao governo da Autoridade Palestina, dirigido por Rami al-Hamdallah, para que fosse imediatamente para Gaza e assumisse as suas responsabilidades.
O Hamas declarou também que aceitava a realização de eleições gerais palestinas e anunciou a sua disponibilidade para responder ao convite egípcio para um diálogo com o movimento Fatah para executar o acordo do Cairo de 2011 e seus anexos, como prelúdio para a formação de um governo de unidade nacional com a participação de outras facções.
O movimento islâmico declarou que as suas decisões foram tomadas em resposta aos esforços egípcios para acabar com a divisão palestina.
Foi uma viagem de apenas 80 quilómetros, mas para o grupo de crianças palestinas da Faixa de Gaza que visitaram Jerusalém Oriental no passado domingo, 20 de Agosto, foi como viajar para um mundo distante. Foi a primeira vez que as 91 crianças, com idades entre os 8 e os 14 anos, puderam visitar Jerusalém.
Estando Gaza fisicamente desligada da Margem Ocidental, é a primeira vez que a maioria das crianças vê o resto dos territórios palestinos: só 7 é que já alguma vez tinham saído da Faixa de Gaza. No caso de algumas das crianças, será também a primeira vez que poderão encontrar-se com parentes que aí residem.
Organizada pela UNRWA (Agência de Obras Públicas e Socorro das Nações Unidas para os Refugiados da Palestina no Próximo Oriente), a viagem faz parte de um programa de intercâmbio de Verão entre crianças palestinas de Gaza e da Margem Ocidental ocupada, «para cada grupo ver a outra parte da Palestina».
O Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos (OHCHR) expressou ontem, 11 de Agosto, «preocupação» com a situação cada vez mais grave na Faixa de Gaza sitiada.
A crise política em Gaza está a privar os seus dois milhões de habitantes de electricidade, cuidados de saúde vitais e água limpa durante este Verão de temperaturas sufocantes, afirmou o OHCHR.
«Estamos profundamente preocupados com a constante deterioração das condições humanitárias e de protecção dos direitos humanos em Gaza», afirmou a porta-voz de direitos humanos da ONU, Ravina Shamdasani, em entrevista colectiva em Genebra. «Israel, o Estado da Palestina e as autoridades de Gaza não estão a cumprir as suas obrigações de promover e proteger os direitos dos habitantes de Gaza. Israel, como potência ocupante, tem responsabilidade à luz do direito internacional humanitário de garantir o bem-estar da população.»
Procurando alcançar a reconciliação nacional entre Hamas e Fatah, facções palestinas rivais, e aliviar uma gravíssima crise humanitária na Faixa de Gaza, o Hamas (Movimento Islâmico de Resistência) anunciou hoje, 3 de Agosto, que está pronto a pôr fim à comissão administrativa em Gaza caso a Autoridade Palestina (AP), liderada pela Fatah, acabe com todas as medidas punitivas impostas nos últimos meses. A notícia é avançada pela agência palestina Ma'an.
O presidente da Autoridade Palestina, Mahmoud Abbas, reuniu-se ontem, 1 de Agosto, com uma delegação do Hamas dirigida por Nasser Al-Din Al-Shaer, em Ramala, na Margem Ocidental ocupada.
Numa entrevista à Quds Press, o chefe da delegação do Hamas afirmou que foram abordadas várias questões, incluindo Jerusalém e a divisão política, e discutidas maneiras de aproveitar a recente vitória na oposição às medidas israelitas em Jerusalém Oriental ocupada. Nasser Al-Din Al-Shaer apelou à elaboração de programas políticos para alcançar a unidade nacional e acabar com o estado de fragmentação na cena palestina.
Por seu lado, Abbas expressou a esperança em mais medidas para acabar com a divisão e restaurar a coesão nacional.
A Frente Popular para a Libertação da Palestina (FPLP) publicou hoje, 13 de Julho, declarações criticando os movimentos Hamas e Fatah pelas medidas punitivas que as duas facções têm tomado, uma contra a outra, nas últimas semanas, informa a agência noticiosa palestina Ma'an. Estas declarações surgem num momento de crise política cada vez mais profunda e de gravíssima crise humanitária na Faixa de Gaza.
Ontem, 12 de Julho, agravou-se dramaticamente a crise energética em Gaza, onde vivem dois milhões de palestinos, quando a única central de produção de electricidade do território foi desligada por falta de combustível. Neste momento o único fornecimento de electricidade são 70 megawatts provenientes de Israel, quando as necessidades se estimam em 500 megawatts. Na maioria dos locais, o fornecimento de electricidade não ultrapassa as 2 horas diárias, com consequências devastadoras nomeadamente para o funcionamento de hospitais e o tratamento de águas residuais.
Já foram causados danos irreversíveis em partes do aquífero costeiro da Faixa de Gaza, em resultado da extracção excessiva e de infiltrações de água do mar, afirma Adnan Ghosheh, especialista sénior de água e saneamento do Banco Mundial, numa entrevista publicada hoje, 17 de Dezembro, no jornal israelita Haaretz.
O Banco Mundial é uma das muitas organizações locais e internacionais que ao longo dos últimos 20 anos vêm alertando para o facto.
«Ecologicamente falando, os danos ao aquífero estão a piorar, e os estudos têm mostrado um aumento constante da salinidade da água», disse Ghosheh na entrevista concedida à jornalista Amira Hass. Isso aproxima a Faixa de Gaza da situação que a ONU previu em 2014: que em 2020 o território será impróprio para a habitação humana.
O Município de Palmela associou-se às Jornadas de Solidariedade com a Palestina 2016 organizadas pelo MPPM.
No dia 30 de Novembro, na Biblioteca Municipal de Pinhal Novo, o Presidente da Câmara Municipal de Palmela, Dr. Álvaro Amaro, inaugurou a exposição "Gaza 2014 - Testemunho de uma Agressão" que ficou patente ao público, até 30 de Dezembro.
Esta exposição, organizada pelo MPPM com fotografias cedidas pela Embaixada da Palestina, documenta a brutalidade da agressão de Israel contra o povo palestino, na Faixa de Gaza, em Julho e Agosto de 2014.
A inauguração da exposição contou ainda com a presença de Fadi Alzaben, Conselheiro da Embaixada da Palestina, José Alexandre, Chefe de Gabinete do Presidente da C. M. Palmela, Joana Villaverde, artista plástica, e Jorge Cadima, da Direcção Nacional do MPPM.
Depois de uma visita guiada à exposição, foi servido um «Moscatel de Honra» por cortesia do Município de Palmela.
As Forças de Defesa (Forças Armadas) de Israel adiaram no domingo 6 de Novembro, pela terceira vez no espaço de uma semana, uma prevista expansão temporária da zona de pesca da Faixa de Gaza de seis milhas náuticas (11 quilómetros) para nove (17 quilómetros), alegando que as autoridades palestinas não tinham cumprido os seus compromissos, incluindo a colocação de um barco para observar a área de modo a monitorizar quaisquer violações.
O chefe da Coordenação das Actividades Governamentais nos Territórios (COGAT) de Israel, Yoav Mordechai, disse na sua página oficial do Facebook que a expansão tinha sido adiada para domingo, porque «os vossos representantes não aplicaram aquilo que foi acordado».

Páginas

Subscreva Gaza