Solidariedade Internacional

As forças israelitas atacaram hoje, domingo, um dos barcos da Flotilha da Liberdade, quando se encontrava a 60 milhas náuticas das costas da Faixa de Gaza cercada. O «Al-Awda» (O Retorno) foi apresado pela Marinha de Israel e levado para o porto de Ashdod, no Sul de Israel.
O barco levava a bordo 22 pessoas de 16 países e transportava medicamentos destinados aos hospitais de Gaza.
Um outro barco da Flotiha da Liberdade, o «Hurriyah» (Liberdade), continua a navegar em direcção a Gaza, aonde está previsto que chegue nos próximos dias.
Ambos os barcos estiveram entre 19 e 22 de Junho em Lisboa, tendo os seus tripulantes participado em várias actividades de solidariedade promovidas por organizações portuguesas, entre elas o MPPM.
Em 2010 forças israelitas atacaram em águas internacionais um navio da Flotilha da Liberdade, o «Mavi Marmara», e mataram dez activistas que seguiam a bordo.

Está iminente a chegada a águas palestinas dos quatro barcos que compõem a Flotilha da Liberdade, que se encontram a uma centena de milhas da Faixa de Gaza, sujeita um bloqueio ilegal por Israel há mais de 11 anos.
Dois dos barcos da Flotilha da Liberdade, o «Freedom» (Liberdade) e o «Al-Awda» (O Retorno), estiveram entre 19 e 22 de Junho em Lisboa, tendo os seus tripulantes participado em várias actividades de solidariedade promovidas por organizações portuguesas, entre elas o MPPM.
Na Faixa de Gaza cercada, dois milhões de pessoas vivem em condições sanitárias, médicas e humanas terríveis num território de apenas 365 km2.

O líder do Partido Trabalhista britânico, Jeremy Corbyn, afirmou que o seu partido está empenhado no «pleno reconhecimento» de um Estado palestino e em reclamar o fim da política israelita de ocupação e colonização.
Corbyn também criticou o chamado «acordo do século» que está a ser preprarado pela administração Trump. «Não sei o que contém o seu “acordo do século”, mas o que sei é que os direitos do povo palestino devem ser atendidos. Isso significa o fim da ocupação, da política de colonização e do cerco a Gaza, além de reconhecer o direito de retorno», afirmou. Estas declarações foram proferidas no campo de Baqa'a, o maior campo de refugiados palestinos na Jordânia, que Corbyn visitou para se informar sobre os serviços prestados pela UNRWA na Jordânia. Corbyn criticou a decisão do governo Trump de reduzir em mais de 50% o financiamento à UNRWA (Agência das Nações Unidas de Assistência aos Refugiados Palestinos).

Membros da tripulação do Al-Awda e do Freedom, que integram a Flotilha da Liberdade 2018 – Rumo a Gaza, estiveram ontem à conversa com simpatizantes portugueses, desta vez no espaço da Fábrica de Alternativas, em Algés.
Fomos recebidos por Conceição Alpiarça, que apresentou o espaço e o seu conceito de «banco de tempo».
James Godfrey, o responsável de comunicação do projecto, evocou a história das várias flotilhas que se dirigiram a Gaza para furar o desumano bloqueio imposto por Israel, desde a primeira campanha, em 2008, e a única a chegar a Gaza, até ao presente, sem esquecer o bárbaro assassinato pelas forças sionistas de 10 tripulantes do Mavi Marmara na campanha de 2010. Apelou a acções de apoio à flotilha, não só pela solidariedade com o povo palestino que a iniciativa representa, mas também para segurança das tripulações.
A personalidade de José Afonso foi hoje invocada na sessão realizada na Associação de que é patrono e que foi o primeiro encontro público da tripulação da Flotilha da Liberdade com o público de Lisboa.
A sala da Associação José Afonso encheu-se para ouvir membros da tripulação e pedir-lhes que levem ao povo da Palestina e, em particular, ao povo de Gaza, o testemunho da solidariedade do povo português.
Abriu a sessão Teresa Palma Fernandes, em nome da AJA, seguindo-se, em representação das organizações que apoiaram a estadia da Flotilha em Portugal, Ana da Ponte, do Grupo Acção Palestina, e Carlos Almeida, do MPPM. Fechou as intervenções portuguesas o deputado Ivan Gonçalves, Vice-Presidente do Grupo Parlamentar de Amizade Portugal-Palestina.
Seguiram-se intervenções de dois tripulantes da Flotilha: Ron Rosseau, sindicalista canadiano, e Awni Farhat, palestino nascido em Gaza.
Vários membros das tripulações das embarcações Freedom e Al-Awda, que integram a Flotilha da Liberdade 2018 — Rumo a Gaza e se encontram amarradas na Marina de Cascais, tiveram, hoje de manhã, um encontro com a Comunicação Social no espaço da Casa de Santa Maria posto à disposição pelo Município. O encontro contou ainda com a presença do deputado Bruno Dias, presidente do Grupo Parlamentar de Amizade Portugal-Palestina.
No final, os tripulantes acompanharam os jornalistas e os activistas portugueses numa visita às duas embarcações.
A entrada do veleiro Freedom estava prevista para a noite de ontem, mas à última hora surgiu a proibição da Marina de Cascais que pretendia ainda a saída do Al-Awda. Foram precisas doze horas de negociações, com avanços e recuos, para que, finalmente, as duas embarcações se juntassem. Mais uma vez, a força da solidariedade derrotou o braço longo do sionismo.
Membros da tripulação, com representantes das organizações que acolhem a Flotilha da Liberdade em Portugal e o vice-presidente do Grupo Parlamentar de Amizade Portugal-Palestina, deputado Ivan Gonçalves vão estar hoje às 18.30 horas, na Associação José Afonso, Rua de São Bento, 170, em Lisboa, para uma sessão pública que contará com a actuação do Coro da Achada.
O presidente da Câmara Municipal de Cascais, Carlos Carreiras, recebeu hoje de manhã os membros da Flotilha da Liberdade Zohar Chamberlain Regev, israelita, coordenadora da Flotilha; Awni Farhat, palestino, natural de Gaza; e Carlos Ponte, médico de Oviedo, Espanha. Acompanharam-nos, em representação das organizações que acolhem a Flotilha em Portugal, Carlos Almeida, do MPPM, e Natasha Ribeiro, do GAP.
 
 
O navio Al-Awda (O Regresso) que, com o veleiro Freedom (Liberdade), integra a Flotilha da Liberdade 2018 — Rumo a Gaza, atracou hoje na Marina de Cascais. Todavia, quem ali se deslocou para saudar a tripulação, à semelhança do que tem sido feito em todos os outros portos da Europa por onde tem passado, foi impedido de o fazer, tendo que se reunir no exterior da Marina. Também os jornalistas foram impedidos de colher fotografias da embarcação. A situação é tanto mais absurda quanto a Vila de Cascais é geminada com Gaza!
Os barcos Freedom (Liberdade) e Al-Awda (O Retorno), que integram a Flotilha da Liberdade 2018, vão ser acolhidos na Marina de Cascais amanhã, 19 de Junho, às 17h. A Flotilha da Liberdade pretende navegar até Gaza para romper o desumano bloqueio a que Israel sujeita o pequeno território palestino.
Até dia 22, realizam-se na zona de Lisboa uma série de acontecimentos [https://www.facebook.com/MPPM.Movimento.Palestina/photos/a.2161335350730... animados pelos membros da Flotilha e várias organizações portuguesas, incluindo o MPPM, para exigir o fim do bloqueio à Faixa de Gaza e reclamar o direito a um futuro justo para a Palestina.
Flotilha da Liberdade impedida de atracar em Paris
Flotilha da Liberdade impedida de atracar em Paris

Páginas

Subscreva Solidariedade Internacional