Gaza

Israel não autoriza uma mãe de Gaza a acompanhar o filho de 3 anos a um hospital da cidade de Nablus, na Cisjordânia ocupada, para tratamentos de cancro, relata o jornal israelita Haaretz.
O Shin Bet (serviço de segurança interno israelita) invoca como razão que ela é parente em primeiro grau de um membro do Hamas, não podendo portanto sair da Faixa de Gaza. 
Inicialmente o pequeno Loay al-Khodari — que sofre de um sarcoma dos tecidos moles — foi levado pela tia, mas mais tarde esta ficou impedida pelo seu próprio estado de saúde. O menino perdeu dois tratamentos, em Junho e Julho, por não ter sido possível encontrar outro parente que o pudesse levar. 
A mãe, desesperada, recorreu a um apelo no Facebook, e uma mulher que não é familiar ofereceu-se para levar o menino aos tratamentos e foi autorizada a sair de Gaza.
O ataque que em 2014 matou quatro crianças palestinas que brincavam na praia em Gaza foi cometido por um drone israelita armado, revelou o site noticioso The Intercept, com base num relatório da polícia militar israelita. 
O relatório, que era confidencial e esteve oculto do público até agora, confirma que os quatro rapazinhos foram visados por um drone armado que os confundiu com combatentes do Hamas. 
Os quatro rapazinhos palestinos — os primos Ismayil Bahar, de 9 anos, Aed Bahar, de 10, Zacharia Baha, de 10, e Muhammed Bahar, de 11 — foram mortos em 16 de Julho de 2014. 
Dois palestinos foram mortos e 307 foram feridos esta sexta-feira pelas forças armadas israelitas perto da vedação com que Israel isola a Faixa de Gaza, segundo informações do Ministério da Saúde de Gaza.
Os dois mortos palestinos, vítimas de balas reais, são o paramédico voluntário Abdullah Al-Qatati, de 26 anos, e Saeed Aloul, de 55 anos. Em Junho, uma outra paramédica voluntária, a jovem Razan al-Najjar, foi morta a tiro enquanto tratava palestinos feridos pelas forças israelitas. 
Dos feridos, 131 foram levados para os hospitais, tendo 85 sido feridos por fogo real. Cinco estão atualmente em estado grave. Entre os feridos também se encontram mais cinco paramédicos e dois repórteres.

Nas últimas 24 horas as forças israelitas agudizaram a sua agressão contra a Faixa de Gaza cercada.
Segundo fontes militares israelitas, as forças armadas do Estado sionista atingiram 150 locais no território costeiro palestino, afirmando que se tratou de alvos ligados ao Hamas.
Um dos alvos atingidos foi um edifício de cinco andares no campo de refugiados de al-Shati, na cidade de Gaza. Ficaram feridos 18 palestinos. Israel alegou que o prédio era usado pelas forças de segurança interna do Hamas, mas na realidade o prédio abrigava o Centro Cultural al-Meshaal e também uma biblioteca e serviços destinados às mulheres egípcias rsidentes em Gaza.
Pelo menos três palestinos, incluindo uma mulher grávida e o seu filho de 18 meses, foram mortos pelos ataques aéreos e de artilharia israelitas.

A Marinha israelita capturou na madrugada de sábado o veleiro sueco Freedom (Liberdade), o segundo barco da Flotilha da Liberdade que procura romper o bloqueio imposto por Israel à Faixa de Gaza. Transportando ajuda humanitária, o Freedom foi apresado quando se encontrava a cerca de 40 milhas náuticas (74 km) da costa do território palestino. Os 12 ocupantes da embarcação foram levados para o porto israelita de Ashdod, prevendo-se que sejam posteriormente deportados. 
Já no domingo passado a Marinha israelita tinha apresado, a 50 milhas náuticas do enclave, um outro barco da Flotilha da Liberdade, o Al Awda (O Retorno), de bandeira norueguesa, a bordo do qual viajavam 22 pessoas. 

Um palestino foi morto e outros 220 foram feridos pelo exército israelita, 90 deles por tiros, junto à vedação com que Israel isola a Faixa de Gaza, informou o Ministério da Saúde local.
Ahmad Yahya Yaghi, de 25 anos, foi morto pelo fogo das forças da ocupação israelita quando participava nos protestos, a leste da cidade de Gaza.
Cerca de 10.000 palestinos participaram nas manifestações, na 19.ª sexta-feira consecutiva dos protestos da Grande Marcha do Retorno.
Segundo o Ministério da Saúde de Gaza, 156 palestinos foram mortos e 17.350 foram feridos pelas forças israelitas desde o início da Grande Marcha de Retorno, em 30 de Março. Esta campanha de manifestações exige o fim do bloqueio israelita, que dura há 12 anos, e o direito de retorno dos refugiados palestinos às terras de onde foram expulsos na limpeza étnica que acompanhou a formação do Estado de Israel, em 1948.

O Ministério da Defesa de Israel anunciou que vai proibir a entrada de gás de cozinha e combustíveis líquido na Faixa de Gaza através da passagem de Kerem Shalom/Karam Abu Salem, a única passagem de mercadorias para o território palestino. A medida vigora desde amanhã, 2 de Agosto, por período indefinido.
Avigdor Lieberman, o ministro da Defesa israelita, declarou que a decisão «foi tomada em vista da continuação do terror com balões incendiários e da fricção ao longo da vedação» com que Israel isola a Faixa de Gaza do mundo exterior.
Israel tem intensificado nos últimos tempos as medidas de bloqueio, na realidade uma gigantesca punição colectiva, em retaliação pelo prosseguimento dos protestos no pequeno território palestino.

Em 29 de Julho a embarcação Al Awda (O Retorno), com bandeira norueguesa, foi apresado pela marinha israelita em águas internacionais, a cerca de 50 milhas náuticas de Gaza. Posteriormente foi levado para o porto israelita de Ashod, sendo presas as 22 pessoas (8 tripulantes e 14 passageiros) de 16 nacionalidades que seguiam a bordo.
 
Parte da Flotilha da Liberdade que tenta romper o bloqueio ilegal a que Israel submete da Faixa de Gaza desde há doze anos, o Al Awda, um antigo barco de pesca da Noruega, transportava medicamentos e destinava-se a ser oferecido aos pescadores palestinos em Gaza.
 
Um outro barco da Flotilha, o Freedom, com bandeira sueca, que também transporta material médico e leva a bordo pessoas de várias nacionalidades, continua a dirigir-se para Gaza, sendo de temer que seja alvo de idêntico acto de violência por parte de Israel.
 

As forças israelitas atacaram hoje, domingo, um dos barcos da Flotilha da Liberdade, quando se encontrava a 60 milhas náuticas das costas da Faixa de Gaza cercada. O «Al-Awda» (O Retorno) foi apresado pela Marinha de Israel e levado para o porto de Ashdod, no Sul de Israel.
O barco levava a bordo 22 pessoas de 16 países e transportava medicamentos destinados aos hospitais de Gaza.
Um outro barco da Flotiha da Liberdade, o «Hurriyah» (Liberdade), continua a navegar em direcção a Gaza, aonde está previsto que chegue nos próximos dias.
Ambos os barcos estiveram entre 19 e 22 de Junho em Lisboa, tendo os seus tripulantes participado em várias actividades de solidariedade promovidas por organizações portuguesas, entre elas o MPPM.
Em 2010 forças israelitas atacaram em águas internacionais um navio da Flotilha da Liberdade, o «Mavi Marmara», e mataram dez activistas que seguiam a bordo.

Está iminente a chegada a águas palestinas dos quatro barcos que compõem a Flotilha da Liberdade, que se encontram a uma centena de milhas da Faixa de Gaza, sujeita um bloqueio ilegal por Israel há mais de 11 anos.
Dois dos barcos da Flotilha da Liberdade, o «Freedom» (Liberdade) e o «Al-Awda» (O Retorno), estiveram entre 19 e 22 de Junho em Lisboa, tendo os seus tripulantes participado em várias actividades de solidariedade promovidas por organizações portuguesas, entre elas o MPPM.
Na Faixa de Gaza cercada, dois milhões de pessoas vivem em condições sanitárias, médicas e humanas terríveis num território de apenas 365 km2.

Páginas

Subscreva Gaza