Gaza

Forças israelitas mataram ontem um palestino com deficiência mental durante uma manifestação da Grande Marcha do Retorno na Faixa de Gaza, já na 40.a semana consecutiva.

O Ministério da Saúde de Gaza identificou o morto como Karam Mohammed Fayyad, de 26 anos. Observadores no local do Palestinian Center for Human Rights (PCHR) informaram que Fayyad foi atingido com uma bala na cabeça quando se encontrava a cerca de 150 metros da vedação com que Israel isola a Faixa de Gaza.

Segundo o Centro Al Mezan de Direitos Humanos, as forças israelitas feriram outros 46 manifestantes, incluindo quatro crianças, duas mulheres, um jornalista e dois paramédicos.

Os soldados do exército sionista dispararam balas reais, balas de aço revestidas de borracha, além de bombas de gás de alta velocidade e granadas atordoantes, informa o Crescente Vermelho Palestino.

Em 27 de Dezembro de 2008, há dez anos, Israel lançou contra a população palestina indefesa da Faixa de Gaza a chamada operação «Chumbo Fundido».

Durante vinte e três dias o exército israelita — o mais poderoso do Médio Oriente — fustigou impiedosamente os palestinos da Faixa da Gaza. Quando a operação terminou, em 18 de Janeiro de 2009 — dois dias antes da tomada de posse de Barack Obama —, tinham-se registado mais de 1400 mortos palestinos – entre os quais 138 crianças – e enormes destruições. Um saldo sangrento que não pode ser classificado senão como prática de crimes de guerra e crimes contra a humanidade.

Um jovem palestino foi morto a tiro por forças israelitas na Cisjordânia ocupada na sexta-feira. Mahmoud Youssef Nakhleh, de 18 anos, morreu após ser atingido no estômago por tropas israelitas no campo de refugiados de al-Jalazun, perto de Ramala. As forças israelitas dispararam contra o jovem de muito perto, menos de 10 metros de distância.

Na sexta-feira registaram-se protestos generalizados, com  arremesso de pedras contra as forças israelitas, na Cisjordânia ocupada. Vive-se aqui um clima de tensão crescente após quatro palestinos e dois israelitas serem mortos num espaço de 48 horas. Segundo o Crescente Vermelho Palestino, pelo menos 57 palestinos ficaram feridos duarnte o dia de sexta-feira.

As forças israelitas lançaram uma onda de prisões em toda a Cisjordânia ocupada. Desde quinta-feira mais de 100 palestinos foram presos. Segundo uma fonte do Hamas, entre eles contam-se dezenas de simpatizantes do movimento, incluindo deputados.

Um rapazinho palestino de quatro anos de idade morreu em consequência dos ferimentos provocados por tiros israelitas em Gaza na sexta-feira passada.

«Ahmed Abu Abed, de quatro anos e oito meses de idade, morreu em consequência dos ferimentos que sofreu na última sexta-feira a leste de Khan Younis», declarou em comunicado o Ministério da Saúde de Gaza, acrescentado que o rapazinho faleceu na noite de terça-feira. O funeral do menino terá lugar hoje, quarta-feira.

Segundo o tio da criança, citado pela agência AFP, o pequeno Ahmed foi ferido por estilhaços quando o seu pai foi alvejado na sexta-feira passada durante os protestos da Grande Marcha do Retorno.

Pelo menos 40 palestinos ficaram hoje feridos pelas forças de ocupação israelitas, que abriram fogo contra os milhares de manifestantes que participavam na 34.ª semana consecutiva da Grande Marcha do Retorno.

O Ministério da Saúde de Gaza anunciou que 40 manifestantes foram feridos por tiros israelitas, três dos quais estão em estado crítico.

As manifestações de hoje ocorrem poucos dias depois da agressão israelita do início da semana, com cerca de uma centena de ataques aéreos e de artilharia, a que as forças da resistência palestina responderam com o lançamento de cerca de 500 rockets. Após dois dias de confronto, foi alcançada uma trégua, mediada pelo Egipto, entre Israel e os movimentos armados de Gaza.

O ministro sionista da Defesa, Avigdor Lieberman, demitiu-se do governo em desacordo com a trégua, abrindo uma crise política que muitos observadores acreditam poder conduzir a eleições antecipadas em Israel.

O MPPM alerta para a extrema gravidade da situação criada na Faixa de Gaza na sequência da incursão de um comando de tropas especiais israelitas que na noite de domingo se infiltrou neste território palestino.

A acção encoberta e ilegal das tropas israelitas, detectada por elementos palestinos armados, desencadeou uma sequência de acontecimentos de consequências incalculáveis. Da troca de tiros entre o comando israelita e as forças palestinas resultou no imediato a morte de sete palestinos e de um oficial israelita. Para proteger a fuga dos seus infiltrados, a aviação israelita efectuou dezenas de ataques com tiros de tanques e com meios aéreos, aviões e helicópteros.

Prosseguindo a sua agressão, o exército israelita efectuou hoje pelo menos 70 ataques na Faixa de Gaza, levados a cabo por aviões, helicópteros e tiros de tanques. Pelo menos três palestinos foram mortos e nove feridos.

Foram nomeadamente visadas concentrações de milhares de pessoas palestinos que protestavam contra a morte de sete palestinos ontem, na sequência da incursão de uma unidade das forças especiais sionistas, deslocando-se num automóvel civil e actuando sob disfarce. Na troca de tiros foi morto também um tenente-coronel israelita.

O exército israelita bombardeou o prédio da estação de televisão Al-Aqsa, ligada ao Hamas, na cidade de Gaza. O prédio ficou completamente destruído, tendo também sido danificadas outras estruturas próximas. Nos últimos 14 anos, é a quarta vez que o prédio é atacado por Israel.

Numa gravíssima escalada, soldados israelitas, actuando descaracterizados, penetraram na Faixa de Gaza na noite de domingo num carro civil, levando a cabo uma operação para assassinar um comandante da ala militar do Hamas.

O Hamas informou que o incidente começou quando os ocupantes de um carro em andamento abriram fogo contra um grupo dos seus militantes armados, matando um de seus comandantes. O ataque, cerca das 21h30 locais, ocorreu a leste de Khan Yunis, a três quilómetros da fronteira de Gaza.

As Brigadas Al-Qassam, ala militar do Hamas, confirmaram a morte do comandante Nour Barakah por forças especiais israelitas.

O carro em que seguia a unidade israelita foi imediatamente perseguido por forças da resistência, com uma nutrida troca de tiros. Seis membros das Brigadas Al-Qassam foram mortos, registando-se ainda sete feridos.

O exército israelita matou hoje um palestino e feriu outros 37 perto da vedação com que Israel isola a Faixa de Gaza, na 33.ª sexta-feira consecutiva das manifestações desarmadas da Grande Marcha do Retorno.

O Ministério da Saúde da Faixa de Gaza confirmou a morte de Rami Wael Ishaq Qahman, de 28 anos, após ter sido atingido no pescoço por um atirador de elite israelita, ficando em estado crítico. O Ministério da Saúde confirmou também que 37 pessoas foram feridas com balas reais, incluindo 6 crianças e 9 mulheres.

Aumenta assim para 221 o número de mortos vítimas da repressão israelita desde o início da Grande Marcha do Retorno, em 30 de Março, registando-se mais de 24 000 feridos.

Pelo menos 10 palestinos foram hoje feridos pelas forças de ocupação israelitas, quatro deles por balas reais, quando participavam na 15.ª marcha marítima, que faz parte da Grande Marcha do Retorno.

As forças de ocupação abriram fogo de metralhadora e dispararam uma barragem de bombas de gás lacrimogéneo contra os manifestantes pacíficos.

«A Marcha do Retorno não vai parar até que sejam atingidas todas as suas metas, em primeiro lugar o levantamento total do cerco da Faixa de Gaza e o fim do sofrimento de dois milhões de palestinos cercados», sublinhou a comissão organizadora da marcha.

Páginas

Subscreva Gaza