Cisjordânia

Um presépio diante do Muro, perfurado por um obus, é o último trabalho de Banksy, revelado poucos antes do Natal na simbólica cidade de Belém, na Cisjordânia ocupada.

A obra intitula-se A Cicatriz de Belém, um jogo de palavras entre Star (estrela) e Scar (cicatriz), e está em exposição no Walled-Off Hotel, que foi inaugurado por Banksy em 2017 na cidade palestina. Os quartos do hotel têm vista para o Muro de oito metros de altura construído pelo Estado sionista.

Blocos em miniatura do Muro, com grafitos apelando à paz e ao amor, servem de pano de fundo ao presépio. O impacto de um obus no Muro lembra uma estrela por cima das figuras de Maria, José e Jesus, rodeados por uma vaca e um burro.

Com este trabalho, Banksy contribui «à sua maneira» para as festividades de Natal em Belém, a cidade onde Jesus nasceu, segundo a tradição cristã.

No decorrer de 2019, registaram-se na Cisjordânia ocupada 256 actos de violência dirigidos contra palestinos por civis israelitas, informa o diário Haaretz. Aumentou a gravidade da violência e da audácia dos responsáveis, embora haja uma diminuição do número de incidentes violentos relativamente 2018, afirmam fontes oficiais israelitas.

Verifica-se um ascenso contínuo dos chamados ataques de «price tag» («etiqueta de preço»), que consistem em vandalizar bens de palestinos ou pintar graffiti com inscrições de ódio.

Fontes citadas pelo Haaretz dizem que este aumento, juntamente com a ousadia dos agressores, faz lembrar a atmosfera que precedeu o fogo posto de consequências fatais na aldeia de Duma, na Cisjordânia ocupada, em 2015, de que resultou a morte de Saad e Riham Dawabsheh e do seu bebé de 18 meses, Ali; o único membro da família que sobreviveu foi o pequeno Ahmed, de quatro anos.

Os palestinos de Hebron, na Cisjordânia ocupada, realizaram esta segunda-feira uma greve geral de protesto contra os planos de Israel de construir um novo colonato ilegal na cidade.

A greve, realizada por apelo da Fatah, movimento predominante da Autoridade Palestina, presidida por Mahmoud Abbas, foi acompanhada por protestos, que as forças israelitas reprimiram com gás lacrimogéneo.

A greve surge na sequência da aprovação em 1 de Dezembro por Naftali Bennett, o ministro da Defesa israelita — a Cisjordânia ocupada está sob administração militar isarelita desde 1967 —, de um novo colonato, com a construção de 70 apartamentos que poderiam duplicar a população de colonos israelitas em Hebron.

Duas semanas após os EUA anunciarem que não consideravam ilegais os colonatos israelitas nos territórios palestinos ocupados, o ministro da Defesa de Israel aprovou este domingo o planeamento de um novo bairro de colonos judeus no centro de Hebron, na Cisjordânia ocupada.

A imprensa israelita relata que Naftali Bennett deu instruções à Administração Civil, organismo do governo militar israelita que administra a Cisjordânia ocupada, para informar o município de Hebron de que está planeado um novo bairro judaico para a área do mercado de frutas e legumes de Hebron, cujos edifícios serão demolidos.

Segundo Bennett, o bairro «criará uma continuação territorial entre o Túmulo dos Patriarcas e o bairro Avraham Avinu e duplicará o número de residentes judeus na cidade».

Um jovem palestino de 18 anos foi morto a tiro por soldados israelitas neste sábado à noite perto do checkpoint (posto de controlo) da aldeia de Beit Awwa, em Hebron, na Cisjordânia ocupada.

Segundo testemunhas oculares, os soldados do exército de ocupação israelita dispararam balas reais contra três jovens perto do colonato de Shigav, matando Badawi Khaled al-Shalash e ferindo outros dois, um deles com gravidade.

As forças de ocupação israelitas impediram as ambulâncias palestinas de entrarem na zona onde tinham ocorrido o tiroteio, informou o Crescente Vermelho palestino.

Segundo o exército israelita, os três jovens estariam a lançar cocktails molotov contra a torre de observação militar das forças de ocupação e o carro de um colono que se deslocava na rua.

Milhares de manifestantes palestinos participaram nesta terça-feira num «dia de raiva» na Cisjordânia ocupada para protestar contra a recente posição dos EUA sobre os colonatos israelitas, declarando que não violam o direito internacional.

Respondendo ao apelo de diversos movimentos políticos palestinos, milhares de pesssoas congregaram-se para protestar em várias cidades da Cisjordânia ocupada. Alguns grupos entraram em confronto com as forças repressivas israelitas, que tinham declarado estado de alerta máximo.

O Crescente Vermelho Palestino informou que durante os protestos as forças israelitas provocaram ferimentos em pelo menos 77 pessoas, causados por balas de aço revestidas de borracha ou inalação excessiva de gás lacrimogéneo.

Israel agravou as restrições impostas aos agricultores palestinos da Cisjordânia ocupada cujas terras ficaram isoladas entre o Muro e o território israelita.

Segundo informa o jornal israelita Haaretz, os novos regulamentos emitidos pela Administração Civil, organismo do governo militar israelita que administra a Cisjordânia ocupada, estabelecem quotas anuais e reduzem os motivos admitidos para os proprietários terem acesso a essas terras.

Os palestinos consideram que estas medidas constituem uma «anexação rastejante», ou seja, uma manobra destinada a forçá-los a abandonar as suas terras, a serem mais tarde anexadas a Israel.

O fotojornalista Moath Amarneh perdeu a visão no olho esquerdo depois de ser gravemente ferido por uma bala de borracha disparada por um soldado israelita quando cobria um protesto de palestinos no Sul da Palestina ocupada.

Além do jornalista, as forças de ocupação israelitas feriram, com balas de metal revestidas de borracha e cartuchos de gás lacrimogéneo, vários palestinos que participavam em Surif, perto de Hebron, num protesto contra o confisco pelas autoridades israelitas de terras destinadas à construção de colonatos judaicos.

Moath Amarneh foi transportado para um hospital para tratamento, mas os médicos não conseguiram salvar-lhe o olho.

O Sindicato dos Jornalistas Palestinos condenou o ataque deliberado do exército israelita a um colega que envergava um colete à prova de balas com a palavra «Press» perfeitamente visível e pediu que «as instituições internacionais actuem rapidamente para parar essa violência contra a imprensa na Palestina».

As forças de ocupação israelitas mataram a tiro um jovem palestino nesta segunda-feira num campo de refugiados de Al-Aroub, perto da cidade de Hebron, no Sul da Cisjordânia ocupada.

Omar Haitham al-Badawi, de 22 anos, foi atingido por tiros israelitas à porta de sua casa, no campo de refugiados, informou o Ministério da Saúde da Palestina. O jovem, com um ferimento de bala, foi levado para o hospital de Hebron, onde sucumbiu aos seus ferimentos.

Um vídeo que circulou nas redes sociais mostra al-Badawi aproximando-se lentamente dos soldados israelitas, e ouve-se alguém pedindo-lhe para trazer água. Ouve-se então um tiro al-Badawi cai no chão.

Também num outro vídeo, divulgado pelo site palestino J Media, vê-se o momento em que Badawi é baleado.

Uma agente da polícia de fronteira israelita alvejou pelas costas um palestino desarmado, mostra um vídeo publicado nas redes sociais. O caso, ocorrido há mais de um ano, regressou à actualidade depois de se ter tornado viral nas redes sociais e ser transmitido no sábado passado por uma estação de televisão israelita.

O Canal 13 informou que o palestino foi mandado parar quando tentava entrar em Israel a partir da Cisjordânia ocupada. No filme, aparentemente gravado com um telemóvel, vê-se um homem não identificado a ser mandado para trás por uma agente da guarda de fronteira isarelita.

O palestino afasta-se de imediato, ao longo de uma estrada vazia, com as mãos no ar, enquanto agentes israelitas gritam «Anda!» em árabe. Quase 20 segundos depois, o homem é atingido com um tiro nas costas e cai gritando de dor. Os agentes israelitas viram-se e abandonam calmamente o local.

Páginas

Subscreva Cisjordânia